Pular para o conteúdo principal

O adeus de Moacy Cirne

DA TRIBUNA DO NORTE

Morreu neste sábado (11), aos 70 anos, por volta das 13 horas, no Hospital da Unimed, em Natal, o poeta, artista visual e professor Moacy Cirne, considerado o maior estudioso brasileiro das histórias em quadrinhos e um dos fundadores do movimento que ficou conhecido como Poema/Processo. O corpo será velado hoje a partir das 20h no Centro de Velório do Morada da Paz, na Rua São José, bairro Lagoa Seca. O sepultamento ocorrerá em Caicó, onde o escritor nasceu. O horário ainda está sendo definido.


Moacy Cirne contesta edição da global editora sobre obra de cascudoMoacy Cirne contesta edição da global editora sobre obra de cascudo

Conhecido por sua paixão pelos quadrinhos e pelo time do Fluminense, Moacy sofreu uma parada cardíaca pouco tempo depois de passar por um procedimento cirúrgico. O poeta ainda ficou em coma induzido, mas não resistiu, afirmou seu enteado. Ele havia descoberto um câncer no fígado recentemente. 

Moacy nasceu em São José do Seridó/Jardim do Seridó, em 1943 e é considerado referência até hoje quando se trata de Histórias em Quadrinhos no Brasil, segundo a editora da Universidade Federal Fluminense (UFF). Pioneiro na área, escreveu livros como A explosão criativa dos Quadrinhos, Ideologia e desmistificação dos super-heróis, Bum! – a explosão criativa dos quadrinhos e Literatura em quadrinhos no Brasil, entre outros. A paixão pelo assunto nasceu quando ainda era criança. "Ela começou em Caicó, interior do Rio Grande do Norte, no final dos anos 40. O Tico-Tico (primeira revista de nível nacional a apresentar histórias em quadrinhos para o público infanto-juvenil) representava todo um mundo para mim", esclareceu em entrevista concedida à editora da UFF anos atrás. Você confere a entrevista aqui

Seu último livro - Seridó Seridós - foi lançado no último dia 14 e como ele próprio disse, em entrevista à Tribuna do Norte, " tem um pouco de tudo: de críticas a memórias e fotos, de homenagens, poemas a listas de livros e filmes", afirmou o homem, que era ao mesmo tempo poeta/processo, professor, escritor, pesquisador, cinéfilo, jornalista e leitor de quadrinhos.

Muitos lamentaram a morte do poeta Moacy Cirne nas redes sociais.

> O jornalista Carlos Magno Araújo postou em seu twitter mais cedo: "Luto na cultura potiguar. Muito triste com a morte de Moacy Cirne". E acrescentou no instagram: "Com as cores que ele amava, homenageio o grande Moacy Cirne. Morreu no início da tarde. Há pouco tempo descobriu um câncer no fígado. Ontem se submeteu a cirurgia. Pouco tempo depois sofreu parada cardíaca. Ainda ficou em coma induzido, mas não resistiu. Caicoense, tricolor roxo, abecedista, quadrinista, escritor, jornalista. Uma grande figura humana. Potiguar que nos orgulha", junto a foto do uniforme do Fluminense.


> O produtor musical José Dias Júnior, marido da cantora Khrystal, postou no facebook: " Que tristeza".

> O também jornalista Tácito Costa publicou um texto em seu blog Substantivo Plural esclarecendo a causa da morte: "Moacy estava internado desde a última quarta-feira, quando deu entrada no hospital para fazer procedimentos médicos relacionados a um tratamento antigo que fazia para combater uma hepatite. Durante o procedimento o quadro clínico se complicou e o escritor teve posteriormente uma parada cardíaca, foi levado a UTI mas não resistiu. O velório deverá ocorrer a partir desta tarde no Centro Morada da Paz, na rua São José, e o sepultamento ocorrerá amanhã em Caicó (Fátima ficou de me ligar para confirmar essas últimas informações)".

> A poetisa Carmem Vasconcelos também postou uma mensagem sobre a morte de Moacy nas redes sociais: "Luto no meu coração". Carmem chegou a escrever um poema sobre a finitude da vida anos atrás: "nem a delicadeza das harpas, nem a fúria dos arpões. Ninguém dentro de mim me anima a desafiar o acabar das coisas (...)".

Comentários

EM ALTA NA SEMANA

Almanaque Temático #45 - Capitão Feio

Circula pelas bancas o Almanaque Temático 45, lançado em janeiro de 2018. Custa R$8,00.

Lista de histórias:
O minigame do Capitão Feio - 13 páginas - original de CC #141 (Editora Globo, junho de 1992)Exibido, eu? - 4 páginas - original de CC #204 (Editora Globo, novembro de 1994)Bebês trocados - 17 páginas - original de CC #260 (Editora Globo, dezembro de 1996)Não acredito!! - 18 páginas - original de CC #442 (Editora Globo, novembro de 2004)Que tédio - 10 páginas - original de CC #280 (Editora Globo, setembro de 1997)Proposta repelente - 17 páginas - original de CC #186 (Editora Globo, fevereiro de 1994)Dr. Olimpo x Capitão Feio - 10 páginas - original de CC #282 (Editora Globo, outubro de 1997)O porquinho borralheiro - 18 páginas - original de CC #411 (Editora Globo, outubro de 2002)Sujeira, pra que te quero - 16 páginas - original de CC #433 (Editora Globo, fevereiro de 2004)O menino da máscara do Ursinho Bilu - 18 páginas - original de CC #357 ( Editora Globo, setembro de 2000)Os t…

Checklist Turma da Mônica - Janeiro/2018

A Panini divulgou as capas das principais revistas de Janeiro de 2018, com uma novidade nada agradável. As revistas Mônica, Cebolinha e almanaques passarão a custar R$6,00, e não mais R$5,50.  As revistas com 68 páginas terão seu valor reajustado de R$4,50 para R$5,00. Outras revistas também serão reajustadas. Vale lembrar que este é o terceiro aumento desde 2016.

Mônica 33: “Os quatro amigos ilhados” 
Roteiro: Emerson Abreu Mônica, Cascão, Cebolinha e Magali vão parar em uma ilha deserta e precisarão colaborar para poder voltar para casa.


Cebolinha 33: “Uma noite no cemitério” Roteiro: Emerson Abreu Cebolinha, Mônica e Cascão perseguem Monicão para dentro de um cemitério e acabam atravessando uma passagem que os leva a um mundo paralelo. 

Checklist Turma da Mônica - Fevereiro/2017

A Panini divulgou, por meio do Facebook, as capas das revistas de Fevereiro. Destaque para o gibi da Magali, em que a história de abertura faz referência ao reality show MasterChef. 

Confira as capas (clique para ampliar):